quinta-feira, 4 de julho de 2013

Jogos Imortais: Sport Lisboa e Benfica 2 Steaua Bucareste 0

Estava a ser uma época sem grandes resultados desportivos para o Benfica: Na taça, eliminados pelo porto nas meias-finais; No campeonato a léguas de distância do... porto. Até já tínhamos passado por uma chicotada psicológica... Carlos Manuel tinha deixado o clube a meio da corrida.

Realmente dava a impressão de que as coisas, na época de 1987 1988, não iriam correr bem. Que nem seria algo de comparável com a época que a tinha antecedido, onde o Benfica tinha conquistado mais uma Dobradinha!
Fernando Martins (presidente entre 29/05/1981 - 27/03/1987) tinha optado pelo cimento em detrimento do sentimento e esqueceu a equipa. Mas o seu sucessor vinha com a vontade de iluminar o terceiro anel.

João Santos ainda meteu os pés pelas mãos: Como não conseguiu resgatar Eriksson, (tinha despachado o técnico da dobradinha: John Mortimore) contratou aquele dinamarquês Ebbe Skovdahl. À 12ª jornada, após oito pontos perdidos, teve cabeça fria para promover O Adjunto.
Carlos Pereira, Fonseca, Tueba, Magnusson, Mozer, Edmundo, Chiquinho e Wando.
Hajry, Samuel, Rui Águas, Jesualdo Toni, Eusébio, Elzo, Pacheco e Padinha.
Bento, Nunes, Dito, Veloso, João Santos, Shéu, Gaspar Ramos, Diamantino, Álvaro e Silvino.

Toni pegou no leme da equipa, o que permitiu criar o entendimento perfeito entre jogadores e a posição de técnico principal. Toni incutiu o entrosamento colectivo e, mais importante, fez disparar a ambição que é também algo necessário para a concretização de objectivos.

A 20 de Abril de 1988, Toni liderou o Benfica, O Sport Lisboa e Benfica em mais uma gloriosa jornada europeia.
Pelo caminho, e até essa data, foram ficando Albaneses (que não sabiam o que era futebol mas sim o que era o nobre desporto das artes marciais): 4-0 (segunda mão já não realizou porque a UEFA os eliminou directamente por indisciplina); Dinamarqueses, ossos duros de roer: 1-0; e os belgas (nossos queridos inimigos mais rijos do que qualquer bolacha com o mesmo nome): 2-1.

Fica aqui um apanhado geral dessas fases da prova:
Depois calhou em sorteio o Steaua de Bucareste... Tinham sido campeões europeus dois anos antes...

Primeiro, fomos á Roménia de Ceausescu aguentar os primeiros noventa minutos. Rui Águas já então jogava com as suas costas rebentadas num estádio que mais parecia um quartel general do exército romeno uma vez que o clube pertencia ao ministério da defesa romeno - as bancadas estavam apinhadas de recrutas do exército uma vez que o serviço militar era obrigatório.

O Benfica sofreu tanto como o Steaua e trouxe um empate para casa. Foi uma viagem simpática à capital de país cujo regime, e o seu líder, iriam ser errr... Liquidados cerca de um ano e meio depois da visita do Benfica...
O Steaua tinha sido campeão europeu dois anos antes frente ao Barcelona, por isso não se deve cair no erro de pensar que esta malta era um grupo de recrutas. Hagi, Lacatus, Piturca, Stoica e Popescu podem parecer nomes estranhos mas eram do melhor que habitava o mundo do futebol naquela altura. Então Hagi...
Fica o resumo dessa partida de grande tensão, jogada com nervos de aço...
Para a segunda mão, Toni queria ganhar, tinha que ganhar e prescindiu de Shéu, que tinha actuado na primeira mão, para colocar Magnusson. A 20 de Abril de 1988, ainda contou com cerca de 130 mil vozes a apoiar a equipa ao vivo.

Infelizmente... Ou nem por isso, aquela era a época das rádios. Eu tinha de colocar os auscultadores porque estes jogos europeus davam à noite e os meus pais tinham de ir à sua labuta diária no dia seguinte. Mas...

Porque o Benfica tinha um dos presidentes mais humanistas da sua história, milhões de pessoas puderam assistir em casa a esta partida uma vez que João Santos decidiu oferecer a transmissão de forma gratuita a todos... A todos!

Nunca me hei-de esquecer! Ainda estava a dar o telejornal e eles fazem uma ligação directa ao estádio da luz para os milhões ficarem a saber em directo e pela voz do Presidente que iriam assistir a esta partida... Um colosso este Homem...
Tinha eu dezasseis anos. O que posso eu escrever agora com base na memória de um puto com aquela idade? Facto é que comprei jornais, revistas ou qualquer coisa que trouxesse vermelho, branco e Benfica na capa.

Fiquem com o que consegui encontrar em bom estado, quer em casa quer na Internet:
O Goleador
A Luta non-stop
O Maestro
O Carregador de Piano
Do pouco que eu me lembro, posso escrever Elzo foi um gigante no meio campo. Ele varreu tudo o que havia para varrer naquela zona. Dito e Mozer foram imperiais na sua área de acção, só pelo chão é que os romenos conseguiram criar alguns calafrios na área do Benfica. Diamantino foi um diamante na batuta de uma grande orquestra e... Porque Magnusson foi colocado lá bem no meio da defesa também implacável do Steaua, Águas pôde andar ali a ajudar o meio campo e sorrateiro no ataque acabou por facturar dois grandes golos de cabeça... Ainda que com as costelas rebentadas, e devolver ao Benfica mais um passaporte para uma final europeia.

Fica aqui um resumo do jogo com os grandes momentos:
Inesquecíveis as emoções no final do jogo: Do nosso timoneiro, António José Conceição Oliveira e de Eusébio...
Diamantino e Rui Águas. Todo o peso de um passado de glória tinha sido parcialmente aliviado. Aquela geração podia agora ter um adormecer mais recatado.

É que aquela incapacidade de ver o clube regressar à alta roda do futebol mundial tinha desvanecido depois de noventa e tal minutos.
A festa final
Para quem gosta de ler, aqui fica a edição do jornal A Bola do dia seguinte... A crónica de Alfredo Farinha e a avaliação de Aurélio Márcio serão suficiebtes para que tenham uma ideia do que passou no relvado. Há também muitas curiosidade que, pela mão de Leonor Pinhão poderão vir a saber... Valerá a pena, para quem estiver interessado em ler, guardar as fotografias ou abri-las numa janela nova.
Até o pinto lá esteve... Foi verificar para depois rapinar.

Como é sabido, o sonho terminou ao décimo segundo pontapé...
E Pluribus UNUM
Nota: Última edição: 18/10/2016 # 04/07/2017

6 comentários:

  1. O Eusébio nesta data ainda era gajo para "fazer uma perninha"
    Saudações gloriosas
    vito g.

    ResponderEliminar
  2. fernando martins e não fernando santos como tens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certíssimo João.

      Muito agradecido pela correcção.

      Por vezes há algo que escapa.

      Saudações gloriosas

      Eliminar
  3. Uma bela recordação de um jogo onde brotou a velha chama! A chama que brota do seu entusiasmo e que, gradualmente, regessa!,...os 130 mil...é que não!

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Correcto António...

    Os 130 Mil que jamais irão encher qualquer estádio do Benfica... A chama que vai regressando mas que é amputada da sua plenitude em secções cruciais das temporadas...

    ResponderEliminar
  5. Este é sem sombra de duvida um dos jogos mais emblemáticos da historia europeia do Benfica.A temporada de 87-88 foi uma época de contrastes,pois se a nivel interno rapidamente ficámos arredados da luta pelo titulo,muito por culpa da inadptação do treinador Ebbe Skovdahl ao futebol português,já no plano europeu realizámos uma campanha que nos encheu de orgulho.Depois de Toni tomar conta da equipa,o principal foco da temporada centrava-se numa participação que pudesse levar o Glorioso a quebrar um jejum de 20 anos sem ir a uma final da Taça dos Campeões.O plantel era curto em termos de qualidade,para além do onze base,restavam poucos jogadores com capacidade para substituir os titulares.Depois de nos vingarmos do Anderlecht,apanhamos uma das equipas mais fortes da Europa dessa altura,pois o Steaua tinha sido campeão europeu em 86 e iria á final em 89 com o Milan.Após uma exibição de grande rigor táctico em Bucareste,na segunda mão com a nossa antiga Catedral a rebentar pelas costuras,cedo resolvemos a questão com 2 golos na primeira parte,em duas cabeçadas magistrais de Rui Águas.O pior veio depois, já que no ensaio geral para a final,o Diamantino que era o mastro do conjunto foi gravemente lesionado pelo judas do Adão´e no jogo decisivo o nosso melhor jogador em campo,o Veloso falhou o penalti.Mas ver aquele gigante de betão completamente lotado era qualquer coisa de inexplicável.

    ResponderEliminar

Ok digam o que bem entenderem.
Depois eu vejo