quinta-feira, 12 de abril de 2018

Jogos Imortais: SL Benfica 2 Porto 0 (TdP 1996-97).

Época difícil a de 1996/1997!
Manuel Damásio a presidente com Gaspar Ramos no futebol. 3 treinadores: Paulo Autuori, Mário Wilson e Manuel José. Cerca de 35 jogadores que passaram pelo plantel ao longo da época, dos quais 20 das mais variadas nacionalidades. Foi o início definitivo do período mais negro da história do Benfica... O conhecido Vietname!
A época, que começa com Paulo Autuori no leme, abriu com uma dupla derrota na Supertaça 0-6 (1-0/0-5). O Campeonato foi miserável: O Benfica somou 58 pontos, ficando na 3ª posição (mais 4 pontos do que o Braga) com a seguinte performance em 34 partidas: 17 vitórias, 7 empates, 10 derrotas e o goal-average de 49-30... Quase 1 golo sofrido por jogo! Tanto avançado - Donizete, Pringle, Hassan, Airez, Glen Helder, Akwá, Paulão, Valdir e...

Autuori saiu em finais de Janeiro não aguentando uma segunda derrota consecutiva, tendo sido chamado Mário Wilson para o substituir (uma só partida no leme). Nunca percebi porque Damásio e Gaspar Ramos não mantiveram Wilson, que tinha conquistado a Taça de Portugal na época transacta... Mas também não percebo como os Benfiquistas permitiram que Damásio por ali andasse tanto tempo a enterrar o clube... Entre Damásio e Azevedo... Quer dizer, uma coisa levou à outra talvez...

Segue-se Manuel José que, a partir da 18ª jornada, toma o comando da equipa tentando fazer o possível... 7 vitórias, 4 empates e 6 derrotas! Nas últimas 5 jornadas dessa época, o Benfica só conquistou 3 pontos! E foi por causa de uma vitória...

Na Taça das Taças, com Autuori ao leme, o Benfica durou 3 eliminatórias, tendo caído aos pés da Fiorentina de Rui Costa, Batistuta e Schwarz, já sob o comando técnico de Manuel José.

Falta a Taça de Portugal. Não, não vencemos! Fomos derrotados pelo Boavista na final por 3-2, tendo os golos do Boavista sido apontados por reforços já assegurados para a próxima época: Nuno Gomes e Sanchez (2).

Outro factor que influiu... Nisto tudo: O mercado de inverno... Dimas foi vendido à Juventus e Hélder ao Deportivo da Corunha. Claro que a defesa...

Mas perguntam vocês: Então porque raio é que eu estou com este trabalho todo se... Bem, esta Meia-Final, é um jogo que se enquadra nesta temática de Jogos Imortais do Benfica! Num período tão negativo a todos os níveis, se bem que ainda iria piorar mais, o Benfica conseguiu numa só partida ser uma equipa de futebol competitiva... À altura dos pergaminhos do clube! Era mais do que contra tudo contra todos... O todos incluía o próprio grupo de trabalho e os dirigentes...

Para chegar a essa Meia-Final, o Benfica teve o seguinte registo:

4ª Eliminatória: A 8 de Dezembro de 1996, o Benfica (ainda com Autuori) recebeu e venceu o Guimarães por 3-2 após prolongamento. Bermúdez e João Pinto (2) marcaram pelo Benfica.
Jogo complicado... O que parecia fácil, complicava-se! Muita qualidade do meio campo para a frente mas muita inexperiência a defender.

5ª Eliminatória: A 11 de Fevereiro de 1997, o Benfica (já com Manuel José) recebeu e venceu o Marítimo por 2-1. Os golos foram marcado por Pringle e por Valdo.
8ºs de Final: A 9 de Março de 1997, nova ida a prolongamento na Catedral... O Benfica venceu o Chaves por 3-1, tendo os golos sido apontados por João Pinto, Valdo e Panduru.
4ºs de Final: A 2 de Abril, na Catedral, o Benfica recebeu o surpreendente Dragões Sandinenses, vencendo por 5-1: Os golos foram apontados por João Pinto (3), Marinho e Valdir:
Equipa atrevida que ainda cheirou a possibilidade de levar o jogo a... Mas, como já escrevi, na dianteira da equipa, havia sempre qualidade extra...
Éramos então chegados à Meia-final que se disputou a 30 de Abril de 1997. Este foi o alinhamento inicial da equipa:
Valdo ficou no banco... Mas compreendo se foi para dar mais tracção ao meio campo da equipa! É que se na baliza tínhamos um Deus, na defesa... As coisas eram mais complicadas, daí que Manuel José tenha querido dar mais músculo com a inclusão de Tiago, Amaral e Calado de modo a fortalecer ainda mais a coesão no meio campo para proteger a linha defensiva tão... Na frente, o Benfica jogava com mais velocidade e arte: João Pinto, Edgar e Valdir.

Foi uma partida de muito confronto no meio campo, coisa muito utilizada pelo Porto dos anos 90 ao qual o Benfica jamais se furtou, tendo os jogadores ido a todas e a mais algumas. Pensando, talvez, terem ido fazer um passeio à capital, os do norte começam a ser apanhados de surpresa em contra-golpes muito rápidos mas não aprendem a lição tendo o Benfica marcado 2 golos em situações muito semelhantes: Recuperação de bola no flanco esquerdo - triangulação/ida ao meio campo - desmarcação de volta ao flanco esquerdo!

O facto de não existir um avançado fixo mas sim 3 avançados móveis (sempre dispostos a ajudarem nas tarefas defensivas), baralhou a defesa adversária. Se é certo que os do norte tiveram as suas oportunidades, a verdade é que o Benfica teve muitas mais, especialmente após Valdo entrar em jogo... Bem arquitectado por Manuel José: Colocar um maestro numa altura em que os nortenhos estavam a intensificar o seu ataque.

Passo de imediato à crónica publicada no jornal A Bola. Depois, escreverei sobre arbitragem:
Valdir a ser comparado a Jardel... Valdir desapareceu passado poucos meses, tal como Donizete uns meses antes.

Em relação a secção sobre arbitragem que está no artigo do jornal a bola... Este é o tal lance em que pareceu ao jornalista ter existido grande penalidade:
Sim... Este jornalista é o actual director do jornal Record... O tal jornal que apoia...

Fica a crónica d'O Benfica Ilustrado sobre a partida:
Falta ainda publicar um resumo da partida. A qualidade das imagens é a que é porque... Não há melhor! Fiquem com os golos marcados, outros lances que poderiam ter resultado em golo mas que... E ainda lances que António Magalhães se terá esquecido de colocar na sua análise muito isenta à arbitragem!

Vamos então ao vídeo:
Espero que tenham visto o quanto complicado foi e quanto saboroso se tornou...

Mas para quê? Para uma derrota frustrante no Jamor. Onde jogámos como o porto na Meia-final e o Boavista como o Benfica nessa mesma partida. Débeis a defender e inconclusivos a atacar. Resultado: 2-3 para os Boavisteiros.

Mais imagens? Confesso que não encontrei mais do que as que já publicadas. Se souberem onde as possa encontrar...

Nesta mesma edição do Jornal A Bola, foi publicada uma coluna de opinião de uma pessoa a qual não faço ideia de quem é ou de quem foi. O que sei é que em 1997, Ferreira Canais escreveu um texto tão límpido que dá a ideia de que veio ao futuro e regressou ao passado para o escrever. Atentem:
Digam lá que... Impressionante não? Deixem transcrever a parte final que é deveras importante para o que se passa hoje no futebol:

"A verdade deverá apresentar-se sempre nua e despudorada - sob pena de continuarmos a viver neste confuso reino da incredulidade".

E não! Não estou a misturar o Benfica com o bando de cowboys do Sporting e do Porto. Mas este é o panorama que os amantes do desporto devem procurar erradicar o mais depressa possível.

Despudorada! Foi dessa forma que a equipa do Benfica venceu o Porto naquela noite de finais de Abril em 1997.

PS: Sem o altruísmo e Benfiquismo do Bakero... A qualidade deste artigo não seria a mesma. Os dois primeiros vídeos são uma dádiva da parte dele. Visitem a página dele no YT e no FB.

Benfica... está a chegar a hora!
E Pluribus UNUM!

1 comentário:

  1. Eu vi esse jogo ao vivo :)

    Aqui neste "lado" as imagens b2a e b4a aparecem repetidas... ainda que os "pequenas" sejam diferentes... basta passar com o cursor nas imagens. Fenómeno curioso.

    ResponderEliminar

Ok digam o que bem entenderem.
Depois eu vejo