quarta-feira, 16 de julho de 2014

Jogos Imortais: Sport Lisboa e Benfica 3 Barcelona 2

Mais um jogo imortal... Perdão, uma sucessão de jogos inesquecíveis (fase de apuramento) que apuraram o Sport Lisboa e Benfica para uma final europeia que foi um jogo memorável... Imortal.

O Benfica já tinha vindo a ameaçar desde 1950, altura em que venceu a segunda edição da Taça Latina. No quadro, vemos o Benfica em quarto lugar atrás do Milan, Barcelona e Real. Já era o clube Português mais famoso na Europa.
Também já contava com um grupo de jogadores excepcionais e ainda faltavam Simões (ainda junior) e... Eusébio. Em 1959, o Benfica contrata mais uma peça fundamental: O treinador Bela Guttman... Foi buscá-lo ao porto...

Estavam lançados os dados para uma época de maturação (1959 1960) que iria ser a rampa de lançamento para uma década excepcional, isto após a época dos violinos (Eles que até tinham muito mais para dar, deixaram-se ultrapassar por um Benfica portentoso que escolheu trabalhar os alicerces para partir para a conquista da Europa)...

Conta-se que Guttman, no início da época 60-61, tinha a firme convicção de que aquele seu Benfica poderia ir longe na edição da Taça dos campeões! É que o treinador propôs à direcção do clube a inclusão de uma compensação especial para o caso de a equipa vencer a prova...

Eu ainda não era nascido, pelo que a história deverá ser contada por palavras de outros. Comecemos pelos jogos que conduziram à final:
O jogo da primeira mão, está envolvido de uma carga simbólica fantástica... Verifiquem aqui neste artigo do EDB.

Uma fotografia publicitária referente ao jogo na escócia:
Algumas imagens do jogo.
A equipa da primeira mão: Costa Pereira, Neto, Mário João, Santana, Coluna, Cruz, Cavém, Germano, Saraiva, José Augusto e José Águas (cap.)
O golo de José Augusto e Costa Pereira à imperador.
De seguida o Ujpest:
Algumas fotografias dos jogos frente ao Ujpest:
Há aqui também uma história interessante sobre Guttman. Ele era húngaro naturalizado austríaco. Por precaução, não fosse acontecer algum imprevisto, ficou em Viena onde recebeu constantemente através do telefone, notícias sobre o que se ia passando no jogo!

Continuando na marcha para a final...
Algumas fotografias dos jogos frente ao Aarhus:
As meis-finais:
Os bilhetes de ambas as partidas:
Este é o golo de Cavém (enorme jogador) no estádio da Luz:
O capitão José Águas:
Uma nota interessante referente ao jogo da segunda mão. O árbitro terminou o jogo cerca de dois minutos antes do tempo regulamentar! Pelo que se conta, o árbitro não assinalou grande penalidade num lance dentro da área do Benfica. Não sei se foi ou não mas o que aconteceu foi que o pessoal adepto do Rapid não gostou e perdeu a cabeça! Conta-se que a comitiva do Benfica esteve largos minutos fechada nos balneários enquanto a policia austríaca não foi capaz de conter os violentos protestos (Onde já ouvi dizer que isto aconteceu?).

Eis que o Benfica chegava pela segunda vez à final da prova mais importante de clubes da Europa (Pouco me importa que alguns desvalorizem a Taça latina).

A grande equipa da altura era o Real Madrid mas o Barcelona tinha-se agigantado pelo que à partida reunia o favoritismo para vencer a final.
Conta-se que cerca de dois mil portugueses acompanharam a equipa até à Suíça, que a federação vendeu cerca de 236 bilhetes e que o Benfica vendeu 342 (embrulhem).

Facto: O Benfica preparou a final com muita ponderação. Guttman e os seus pupilos partiram para Berna sete dias antes da final, enquanto o Barcelona chegou dois dias antes... Mas o Benfica não foi passear mas sim para Spiez, lá nas montanhas para se concentrarem.

O Barcelona estava em vantagem não só no favoritismo mas também no número de adeptos, mas diz-se que um dos factores decisivos, aconteceu nos momentos que antecederam o início da partida: Quando a banda de música tocou A Portuguesa, os adeptos e jogadores do Benfica cantaram-na em uníssono de forma tão potente e resoluta que se diz que foi uma espécie de primeiro abanão ao tal favoritismo espanhol.

Ficam as fotos da partida memorável:
Grande jogo que terá sido pelo que pude ler e ver, mas há uma história que quero ser eu a escrever aqui, a história de Mário Coluna. Dedico-a ao actual presidente do Sport Lisboa e Benfica: Com o resultado em 2-1, Coluna levou uma pancada, perdeu a consciência e foi levado para fora de campo. O Benfica jogou com dez jogadores e manteve o resultado nos tais 2-1.

Conta-se que Coluna, assim que recuperou a orientação, e já nos balneários, foi informado do que lhe tinha acontecido e a primeira coisa que fez foi perguntar qual era o resultado do jogo naquele momento... Coluna ergueu-se, voltou para o campo e marcou aquele terceiro golo absolutamente espectacular.
Não se admirem os jovens do porquê de tanta consternação pela partida deste jogador absolutamente excepcional em Fevereiro deste ano...

Esta foi a ficha da partida (total de 26-10 em golos...):
Terminava a partida, se tivemos sorte? Sim, houve quase uma mão cheia de bolas a baterem nos poste quadrados da baliza de Costa Pereira. Antes isso que ganhar através de golos irregulares e/ou porque p árbitro vê mas não assinala penálti a favor do adversário..

Seguiu-se a consagração, era entregue o glorioso troféu ao capitão do Benfica, seguiram-se festejos sempre com respeito pelo adversário:
Ficam aqui os vídeos da partida que abrangem o antes, o durante e o depois:

Mais uma curiosidade, desta vez acerca da transmissão televisiva deste jogo. Naqueles tempos eram poucas as pessoas que tinham um televisor em casa, desse modo o grosso dos telespectadores estava concentrado em locais públicos como cafés, bares e restaurantes. A rtp tinha iniciado há pouco tempo as transmissões internacionais, pelo que a experiência era pouca. Se pensarmos que a tecnologia era... Enfim pré-histórica, não é difícil adivinhar que foi uma transmissão problemática.

Cheia de cortes temporários, a transmissão via tv acabou por ir abaixo sendo que as pessoas tiveram de se socorrer dos rádios e ouvir o relato de Artur Agostinho... Imaginem o aglomerado de pessoas à volta de uma caixita, a vibrar com a partida que nos últimos minutos foi de muito sofrimento para a equipa do Benfica face ao poderoso assédio do Barcelona...
Ficam as reacções da imprensa da época (façam o download das fotos para uma leitura mais correcta):
Espanha também reconheceu:
Os jogadores e treinador chegaram até a serem recebidos por Américo Tomás (Presidente da República) e Salazar para serem tornados comendadores (última fotografia da página aqui em cima à direita). Conta-se que à saída de São Bento, Guttman segredou a Fezas Vital (o presidente do Benfica): Peço demissão, como posso treinar, na próxima época, 14 commendatori?"

Foi o começo de uma era de glória. Veio mais uma conquista no ano seguinte frente ao Real Madrid, e mais três finais com muitas histórias ainda na década de sessenta do século passado.

O meu mais sincero agradecimento a todos vós:
Alguma incorrecção, é só avisar!

PS: Sinto alguma mágoa no facto em que estes jogos imortais mais antigos não despertarem muito interesse no universo Benfiquista! As estatísticas assim o reflectem, os números de visualização são extremamente baixos para a importância dos mesmos na história deste magnífico clube. Posso afirmar de forma taxativa que o Benfica hoje seria um clube de expressão desportiva mais mediana se os homens da década de 50 e sessenta não tivessem existido e trabalhado da forma como o fizeram a troco de uma remuneração quase simbólica. Sei muito bem quem foi Eusébio mas em 1950 e 1961, o seu contributo não existiu.

Deste modo, dou comigo a questionar se de facto os adeptos do Benfica têm a noção certa sobre a forma como este gigante foi construído! Uma coisa é terem sido introduzidos ao Benfica pelos pais e amigos numa determinada altura. Outra é desconhecerem a origem do clube e olharem só para a luz que lhes é transmitida hoje em dia.

Ainda hoje há muita malta que nem sabe quem foi o primeiro Rei de Portugal e como foi que ele criou as raízes para tão poderoso país, que chegou a ditar as leis do mundo conhecido. Da mesma forma, há certamente um vastíssimo número de pessoas que não sabe que o Benfica nasceu pobre no seio do povo, que foi esse povo que lutou e o engrandeceu numa sociedade que o ostracizou e tentou (ainda tenta) enfraquecer para se tornar no maior de Portugal.

Estes jogos imortais devem ser relembrados. Na mente dos jovens do século 21 e daqueles jovens dos finais do passado século, podem estar os 7-1 que o sporting nos infligiu mas muitos há que não se lembram que nessa época conquistámos a dobradinha...

Confesso que fico maravilhado com a onda de apoio que vejo atrás do clube época atrás de época; No sucesso e no desaire, o povo está com o clube, mas a história é ofuscada pelo sensacionalismo da imprensa e é contra isso que devemos lutar... Pela história do clube e não pelo ódio a outros clubes!

E sim, isto deu trabalho... E nada recebi por isso! Já agora saibam que a direcção do Sport Lisboa e Benfica pagou os seguintes prémios a cada jogador (que jogou) por cada eliminatória vencida e pela final: 4+6+8+12+30 contos/mil escudos... Só Costa Pereira, Ângelo, Germano, Cruz, Neto, José Augusto, Santana, Águas, Coluna e Cavém é que lograram em receber 60 contos, 300 euros...

E Pluribus UNUM

6 comentários:

  1. MAGNÍFICO.
    Se 1/4 do plantel tivesse este amor pelo clube... seriamos um colosso.

    (Off topic: eu avisei no final da época que se devia blindar o Oblak, é destas coisas que me passo com a Direção... Rui Costa andas-te distraído a comentar o mundial?).
    saudações gloriosas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oblak... Teve a ver com o facto de o atlético de madrid ter conseguido aliciar o empresário de Oblak. depois ele só teve de aliciar o jogador...

      Penso, repito, penso que o Rui Costa não podia fazer muito.

      Eliminar
  2. Os ultimos parágrafos ilustram de uma forma convincente tudo akilo ke sinto em relação á transmissão de toda a história do nosso clube para as gerações seguintes.No meu caso não tive ninguem ke me ensina-se a historia do Glorioso,já ke o meu pai é adepto do Sporting,mas não foi por causa disso ke não deixei de saber kem foram os grandes baluartes das decadas mais distantes do Benfica.Kuanto a este jogo memorável,esta extraordinária vitoria deveu-se á sagacidade de um grande senhor chamado Béla Guttmann,a um naipe de jogadores geniais entre os kuais destaco alguns heróis algo eskecidos como Angelo,Germano(o ke eu tinha adorado ver a sua inigualável classe),ou o maior polivalente de sempre do nosso futebol Domiciano Cavém e também alguma fortuna.Fortuna essa ke depois nos tem sido adversa a partir da vitoria sobre o Real no ano seguinte.Este sim era o verdadeiro super Benfica,desde dirigentes,passando por treinadores(não eskecer o grande trabalho de Otto Gloria na profissionalização do nosso futebol) e terminando num grupo de jogadores verdadeiramente fabuloso.Kualker Benfikista tem ke se curvar perante tudo akuilo ke estes imortais conseguiram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alexandre, foi um comentário teu que me despertou a vontade de fazer aquela confissão contida no ps.
      Imagina a alegria que sinto quando acabo o post. Depois da recolha de imagens, de vídeos e de textos... Para quê? Pouco!

      Mas se fizer um post sobre o sistema...

      Saudações gloriosas.

      Eliminar
  3. Para mim e porventura para muitos é sempre um orgulho ler e relembrar os feitos ke tornaram o Benfica num dos colossos do futebol mundial.Não sei explicar,mas falar do grande Benfica,em especial dos anos 50,60,70,80 e até 1994(sim foi nessa altura ke para mim acabou o modelo de clube pelo kual sou completamente apaixonado)é kualker coisa de inexplicavel,é o regresso a tempos magnificos em ke não nos vergávamos a nada nem a ninguem.E não falo só de futebol,pois nessas alturas era o Benfica não só do Sr. Eusébio,do Sr. Coluna,do Sr. Humberto,do Sr.Chalana,do Sr. Bento,do Sr. Carlos Manuel,do Sr.Paneira e tantos outros,mas também era o Benfica de atletas fabulosos como Alexandre Yokochi,o falecido e primeiro medalhado olimpico da nossa história Antonio Leitão,da genial ekipa de basket do Carlos Lisboa,Jean Jackes,Pedro Miguel,Vieira e Mike Plowden,e da geração de ouro do hokei com Luis Ferreira,Paulo Almeida,Vitor Fortunato,Rui Lopes e mais tarde com o Maradona dos patins Panchito Velazkez.Aposto ke se perguntarem ao actual presidente kem foram estes imortais,o senhor Vieira ainda é capaz de os confundir com algum contentor de jogadores ke ai vem.Por falar no ke ai vem,vamos ver no final ke vai ter a situação do fundo de jogadores e da parceria com o BES.Por akilo ke tenho lido não me parece ke venha ai algo de bom para nós.Deve ser mais uma das situações em ke vamos ser comidos por parvos,e mais uns negocios de contornos duvidosos como foram as vendas do Roberto ou do Garay.Pronto já chega se não kualker dia sou apelidado de abutre e saudosista bacoco.Mas não tenho a culpa de como muitos ter ainda apanhado um Benfica em ke ganhar era mais importante ke kualker negocio ou comissão para encher o cú a gulosos.

    ResponderEliminar
  4. "Talibans", é esse o nome???
    Este ano não há Maneis, este ano vamos ter que tomar calmantes...
    Viva o Benfica que será sempre imortal, passe quem por lá passar
    saudações gloriosas
    vito g.

    ResponderEliminar

Ok digam o que bem entenderem.
Depois eu vejo