quinta-feira, 1 de junho de 2017

Benficar 1

E tudo começou há cerca de 4 anos na Catedral desta maneira:
Esta época, em termos de campeonato, prova árdua e de longa duração, decidi atribuir pontuações aos jogadores face às suas prestações. Foi o meu critério e os resultados foram estes ao cabo das 34 jornadas...

Não se esqueçam que as pontuações baixas remetem para o facto de os jogadores serem suplentes e terem entrado no decorrer das partidas (a cinzento).

Em termos de pontuações totais:
Bem, estes números reflectem o número de vezes que os jogadores foram utilizados por RV. Há 3 jogadores que quase não falharam partidas: Lindelof, Pizzi e Nelson. Outros que raramente calçaram! Interessante as minhas pontuações aos suplentes... Houve boas e muito boas mas a média não é famosa, daí ter abolido o 1 - talvez devesse ter feito o mesmo com o 2 - porque acabava por empalidecer a exibição global da equipa de forma injusta.

Na perspectiva da qualidade exibicional em termos individuais, este é o quadro mais adequado:
E, como podem observar, as alterações são vastas o que pode causar confusão... Por um lado, estes números reflectem que os melhores jogadores foram os defesas... Até temos 2 guarda-redes nos primeiros 5.

Kalaica, fez uma boa partida e do nada aparece na primeira metade da tabela! Uma injustiça talvez porque jogadores que tanto batalharam como Mitroglou, Guedes, Pizzi entre tantos outros estão mais abaixo! É a frieza dos números meus caros.

Outro dado importante que é o dos melhores em campo:
De novo jogadores mais defensivos na frente... Eles perfazem 50% das citações de Melhor Em Campo! Penso que não é uma injustiça até porque um bom ataque necessita de uma boa defesa para ganhar jogos e por entre as oscilações exibicionais, é ali que a coisa se segura e mantêm o rumo.

Destaco as 7 vezes que Ederson foi pontuado com 8 e claro, as 7 distinções de melhor em campo... O pessoal do ManCity, em princípio, não vai dar por mal empregue o dinheiro que investiu nele que é de facto um excelente guarda-redes (também teve as suas oscilações).
Ele que é o primeiro a sair...

Fejsa levou dois 9... É de facto um pilar. Depois seguem os avançados com Pizzi metido no meio.

Para uma análise mais individual, mas por sectores, seguem os seguintes quadros:
JC estava a fazer uma boa época até aquele fatídico encontro em Nápoles (por isso é que tem a 5ª melhor média do plantel). Mas a verdade é que a opção de RV mudou e não pata pior... Ederson esteve sempre à altura e até superou as expectativas, tal como na época passada. O Paulo Lopes teve o seu prémio mais do que merecido.

Em relação à defesa, os centrais:
Houve uma dupla que foi mais utilizada - Luisão/Lindelof - sempre com níveis exibicionais muito equivalentes. Lisandro teve também as suas hipóteses mas... Jardel, com os problemas físicos que sofreu, teve uma época inglória. Melhores dias virão.

Os laterais:
Interessante... Pode-se observar uma ligeira diferença entre as primeiras e segundas opções.

Os médios:
É verdade... Um espaço só para o sérvio que bem o merece. É relevante entender que não fosse o seu historial de lesões, ele já cá não estaria. Muito importante ter um cérebro destes numa posição tão fulcral como é o trinco!
Pizzi também merece o seu espaço individual. Ele que é um personagem que não reúne consensos (mas é a escolha do treinador para aquela posição), foi no entanto também deveras importante para a conquista do 36º campeonato. A pouca experiência e savoir-faire nesta posição específica de maestro mais a excessiva utilização, poderão ser a causa de algumas oscilações exibicionais.

É claro que tudo tem tendência a melhor com a continuação.
Os desequilibradores...

Reparem a distância entre um jogador experiente como Salvio e 3 garotos. Para o ano vai ser ainda melhor.

Os matadores:
Abençoados...

Por entre lesões de uns e vendas (antecipadas), todos foram vitais para marcar os golos necessários para a equipa vencer. Interessante observar que quando uns baixavam outros logo seguiam com qualidade.

Os menos utilizados mas muito importantes:
Épocas difíceis para jogadores que parecem ter mais qualidade do que demonstraram... Foi uma questão de opções, lesões e momentos conturbados de outra época.

E a equipa? Também teve a sua média exibicional:
Dá para notar a queda em Setúbal em contraste com o banho de bola que se deu ao Guimarães. A vitória em Moreira de Cónegos (jornada 28) que contrasta com o nível exibicional em comparação com o empate em alvalade... Coisas de pontuações 😉

Mas a média, 5,6, é aceitável numa prova de longa duração! Nos momentos chaves, a equipa respondeu afirmativamente e conquistou o 36º título de campeão Nacional para o Benfica. É aceitável porque é diferente - e difícil - jogar contra 11, e por vezes jogar contra 11 + 3, quando outros jogaram 11 contra 11/ jogaram 11 + 3 contra 11 e por vezes jogaram 11 + 11 + 3.

Tudo isto é muito engraçado mas trabalhoso! Não sei se o volte a fazer.

NOTA: Aproveito para vos informar que a sportv anda atrás deste blogue. É possível que ele acabe a qualquer momento. Tudo por causa dos GIFs... Quem é adepto do Benfica não pode publicar imagens daquele canal que defendam o Benfica e demonstrem como o sporting clube do porto é beneficiado. Mas eles já o podem fazer (mentir) contra o Benfica!!!

Fiquem com a caderneta.
E Pluribus UNUM
Benfica, para voar, é necessário ter asa

Sem comentários:

Publicar um comentário

Ok digam o que bem entenderem.
Depois eu vejo