domingo, 27 de setembro de 2015

2015-2016 6ªJ: SL Benfica 3 Paços de Ferreira 0

E os três pontos preciosos ficaram na Catedral... Era o mais importante nem que fosse por um-zero!

Mais uma vez, a equipa reagiu positivamente à derrota mas reagiu também de forma meio desfocada o que até é fácil de explicar. Não só jogamos contra uma equipa que derreteu dois pontos ao sporting, como também jogámos sem um jogador mais imaginativo no meio campo, já para não falar que temos champions na quarta-feira...
A barreira psicológica de não estarmos dependentes de nós próprios para chegar ao título foi ultrapassada e isso era o que interessava nas contas desta sexta jornada.

O Benfica, perante cerca de quarenta e cinco mil espectadores - a escassos cinco mil da lotação dos estádios do sporting e do porto...
Apresentou um futebol muito confuso depois daqueles primeiros cinco minutos. Poderíamos ter marcado mas não o fizemos e até ao golo de Jonas, fomos-nos atropelando com jogadas inconsequentes onde alguns jogadores foram cometendo erros nos passes e abrindo portas para que o adversário fosse chutando à baliza de Júlio César.

Sei que é uma chatice escrever isto mas continuo a afirmar que com Eliseu (especialmente) e Jardel, o Benfica coloca-se a jeito de sofrer dissabores. As tais ditas oportunidades criadas pelo paços (coisa de pouca monta), acontecem após os jogadores simplesmente bloquearem. Ambos têm de uma vez por todas colocar na cabeça que ali não há espaço para invenções. É sabido que quarta-feira vamos jogar contra Torres, contra Griezzman e também contra aquele gajo que marcava golos com a mão e em fora de jogo quando por cá andava...

O Jogo estava equilibrado de forma desequilibrada, o Benfica mandava na partida mas nada acontecia... Até que:
Golo que valeu por todo o jogo. Jonas (sete golos em seis jogos!) é artista e só lhe falta abrir a fechadura nos jogos, ditos, mais importantes.

E o paços não modificou a sua estratégia, até ao intervalo continuou a jogar de forma pachorrenta como se ainda estivesse empatado.

A segunda parte trouxe um Benfica amorfo, tal como as primeiras partes dos primeiros jogos oficiais da presente época. RV não terá gostado e colocou jogadores a aquecer o que poderá ter despertado os jogadores em campo. O certo é que Mitroglou saiu e já com Jiménez em campo, o jogo foi resolvido com mais um golo de Jonas e outro de Gonçalo Guedes.
Umas palavras para Gonçalo Guedes: Foi irritante puto, a tua vontade face à falta de experiência... O querer fazer tudo sozinho... Chegou a um momento em que já te queria ver no banco porque as coisas não estavam a resultar mas eis que... E eu calei-me até porque foi tremendamente importante para a evolução dele ter marcado aquele golo e especialmente, ter feito uma assistência fantástica para o terceiro golo da equipa.

Gonçalo, continua o teu trabalho. Vais ter muitos minutos para estabilizares a tua cabeça e nivelares a tua vontade com a tua arte. O futuro está já ali e nem precisaste de nascer 10 vezes.
Bandeiras com o vermelho e o branco! Assim sim.
Mais uma menção: Quem era o lateral direito do Benfica no passado recente? Mas o RV tem de conversar muito com o Nelson. Tem de lhe dizer que a época é longa e de que ele vai ter de descansar várias vezes. RV tem também de ver quem vai substituir quer o Nelson quer o Eliseu... O Lindelöf (campeão europeu) e o Sílvio?

Vamos lá ao árbitro. Diz que poderá ter existido um penálti contra o Benfica aos dezanove minutos de jogo: mão de Mitroglou, que estava na barreira, após a marcação de um livre directo. Tal, foi impossível de analisar com as imagens do lance e mesmo com as duas repetições de ângulos diferentes (ai se fosse a sportv), fico na dúvida... Fiz rewind para os momentos pós lance e não vi nenhum jogador a protestar... Nem o jogador que tinha marcado o livre.
Marafona, um dos melhores em campo?
O interessante é que poucos minutos depois, aconteceram dois lances deste tipo dentro da grande área do paços (aos 23 e aos 27 minutos de jogo): Os braços do jogador Romeu, em movimento, também entraram em contacto com a bola. Em ambos os casos, parece-me que o árbitro ajuizou bem em não assinalar nada!

Já Gaitan anda a levar porrada de forma sistemática. Faz-me lembrar os primeiros tempos de Mantorras em que ele enfardava e os árbitros assobiavam para o lado, depois...
6-2 na baliza...
Jogo ganho o que valeu três pontos e uma re-aproximação ao duo de amiguinhos que lidera a tabela de classificação.

Acho interessante que RV pela segunda vez consecutiva (e face a adversários de qualidade diferente) tenha colocado um meio campo mais estanque. Isso significa que quis criar rotina entre dois jogadores que mal se conheciam dentro de campo o que me leva a desconfiar que irá colocar Almeida e Samaris em Madrid. A saída antecipada de Mitroglou (tendo Jonas ficado até ao fim), leva-me de igual modo a desconfiar que poderá ser ele o único avançado a alinhar no Vicente Calderón, pelo que o meio-campo do Benfica poderá contar com mais um elemento. Isto é subjectivo mas a esta distância desse jogo, parece-me uma táctica relativamente bem pensada: Jonas a entrar na segunda parte mais fresco... Veremos, até porque RV pode ter visto que o avançado Grego não estava a jogar bem...

PS: Aquela polémica de Rui Gomes da Silva versus o mijões diário... Alguém se lembra de ter lido, ouvido ou mesmo visto algo relacionado com o controlo anti-doping no final do jogo da passada semana? Parece que não houve! O que num jogo desta envergadura me parece ser nefasto...

Mantendo a temática centrada neste clube já condenado por corrupção, apraz-me informar que eles regressaram ao escalão máximo do basquetebol português... Pasme-se... Regressaram não regressando... Confuso? É, Portugal é um país assim onde as chico-espertisses têm terreno para florescer.

Escrevi que tinha prazer em informar os caros leitores desse facto porque o Benfica defrontou o porto que não é o porto. Chamam-lhe dragon force que ontem perdeu com o Benfica que é mesmo Benfica. Parabéns ao Benfica e felicidades para a final de hoje.

Venham os espanhóis, e que grande jogo pode vir a ser.
E Pluribus UNUM

5 comentários:

  1. "jogámos sem um jogador mais imaginativo no meio-campo"...
    Quem será o imaginativo a que te referes?
    Eu não conheço nenhum...

    ResponderEliminar
  2. A perceção que vou tendo é que, tal como ouvi o treinador do Paços de Ferreira ontem, o Benfica resolve individualmente - fruto de jogadores de grande qualidade como Jonas e Gaitan - aquilo que como equipa definitivamente (ainda?) não consegue fazer. E o que seria da equipa se Gaitan pensasse na família (como o outro) e tivesse ido para o Dubai. Teria sido o descalabro.
    Mas não se ganham campeonatos só com duas ou três vedetas, ganha-se com um coletivo forte.
    Até à 6a jornada o Benfica teve só um jogo difícil (e na época passada nem um só golo sofreu nos jogos com o FCP) e no entanto já vai com duas derrotas. Espero para ver quando chegarem os jogos com Braga, Sporting, Marítimo, Nacional, Rio Ave... e ver se a equipa vai mudar o comportamento que tem tido nos jogos fora de portas. Podemos já ter uma ideia na próxima quarta-feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito assertivo Konigvs.

      Essa é uma dúvida que assalta a min ha cabeça. Os traços de equipa vãon aparecendo. Os golos da segunda parte foram mais "colectiovo" mas o golo que abriu o activo foi mais individual.

      As equipas que enumeras fazem parte do eixo do norte. Vão ser um teste difícil ao Benfica assim como o jogo de amanhã.

      Veremos.

      Saudações Gloriosas

      Eliminar

Ok digam o que bem entenderem.
Depois eu vejo