sábado, 25 de julho de 2015

Rui Águas, O Príncipe.

O que posso dizer sobre ele? Bem, se pudesse escalar os meus jogadores favoritos em posições-tipo, Rui Águas seria o mais sério candidato a figurar na posição de avançado. Foi um dos meus ídolos de infância, tive vários... Um para cada posição claro...
Tenho muita dificuldade em dizer que Portugal já teve outro grande avançado depois dele abandonar a carreira. O pai, José Águas (aqui retratado) teve a felicidade de ter um sucessor que foi o José Torres. O José Torres foi rendido por Nené. Depois de Nené (e Jordão porque não), o futebol português teve Gomes e Manuel Fernandes que foram sucedidos por Rui Águas... Depois de Rui Águas nada aconteceu.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Jogos Imortais: S.L. Benfica 3 sporting 3 (7-6 agp)

E que jogo foi este que teve lugar no Estádio da Luz a 26 de Janeiro de 2005. Era uma partida a contar para os oitavos de final da Taça de Portugal de 2004/2005 e o sorteio quis que se encontrassem dois dos naturais candidatos à vitória final... Foi um jogo de superação que transbordou de qualidade e emoção.

O sporting, à primeira vista, apresentava um plantel de melhor qualidade mas o Benfica jogava no seu estádio e tinha Trapattoni ao leme. Estava a ser uma época estranha no futebol português: O porto era uma banalidade, o Benfica estava pouco melhor e o sporting, habituado a mendigar sobras do seu amigo nortenho, não sabia estar na frente.
Os Heróis

sábado, 4 de julho de 2015

Mas... O Que É Isto?

Não sei como vai acabar a novela Maxi Pereira. O Benfica tem um novo treinador e sobre ele e especificamente sobre jj, irei escrever noutra altura. O importante, é eu ser capaz de etiquetar o que se tem passado nesta pré época!

Muita palhaçada? Só pode e por isso eu entro no discurso circense...

O empresário de jackson, andava de cabelos em pé desde há já algum tempo...

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Jogos Imortais: S.L. Benfica 3 porto 1 (1986-1987)

Foi um enorme e imortal jogo de futebol, este que teve lugar numa época de viragem esta a de 1986/1987.
O Betão tinha-se imposto à qualidade desportiva (Chalana, Stromberg tinham sido vendidos para pagar o cimento em 1984)... Não era um caso de termos maus jogadores mas sim um caso em que grande parte dos jogadores estava a entrar no ocaso das suas carreiras.

Se Pietra, António Bastos Lopes (ambos ainda entraram na fotografia de plantel de início de época) e Nené já se tinham retirado, jogadores como Bento, Shéu e José Luís e Manniche estavam nos capítulos finais das suas carreiras (no Benfica). Diamantino, Veloso, Álvaro e Carlos Manuel eram os sobreviventes da era Eriksson.