sábado, 31 de agosto de 2013

Hoje: O Dérbie!

Não há maneira de o negar. Este é o jogo de futebol de Portugal. Move muitas pessoas, emoções, tradições, explosões, rasgões e traições. É assim a condição humana quando velhos rivais se encontram. Hoje é em Alvalade!

Alvalade... Onde já trouxemos sete, cinco e afins mas onde também já deixámos seis, quatro, três e por aí.
Quem vai à guerra dá e leva
Temos um sporting fresco que nem uma alface, cujos jogadores deverão ter tido uma lavagem cerebral tremenda para fazerem deste jogo o último das suas vidas.
Temos um Benfica que deu sinais de poder estar em recuperação após um trágico acidente de aviação.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Rebimba o Malho

Houve já tempos de crise desportiva e institucional no Sport Lisboa e Benfica. E não foi assim há tanto tempo. Mesmo nessas alturas havia um pavio que ainda nos levava a celebrar o pouco que podíamos porque engolir a seco já era penoso.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

2ª J: SL Benfica 2 Gil Vicente 1

Antropologia Cultural! É um estado de alma a primeira parte do Benfica: Dissipar aquela nuvem meio escura que por ali paira há alguns meses e que se adensou no passado Domingo.

Muito querer nos jogadores a tentar entrar no buraco da agulha. Mesma equipa que a época passada, excepto Cortez.

sábado, 24 de agosto de 2013

Tem Que Ser

Ora aqui está uma expressão que se tornou sinónimo de algo difícil de explicar!

"Então como vai isso?" - "Tem que ser"
"Bom dia" - "Tem que ser"
"A vida está difícil" - "Tem que ser"

Parece um virus vindo sabe-se lá de onde que se entranhou nas interacções sociais... Secalhar teve de o ser... esta entrevista do presidente do Benfica.
SLB - Goal/Objectivo: "3 títulos, 1 final europeia e 50 títulos nas modalidades". Tem que ser!

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

The Amazing Eighties

Bom dia, boa tarde ou boa noite a todos os playerlisteiros que andam por este tipo de ondas hertzianas. Este blogue, transformado em rádio por alguns instantes, tem o prazer de vos dar a ouvir, vulgo ler/ver/degustar e por aí, das melhores rapsódias dos grandes anos oitenta.
Coloquem a casa em silêncio, liguem o vosso sistema surrond, deixem a divisão em média luz que isto não demora muito. Se acabarem por adormecer o problema é vosso que se fartaram do presente e já não querem saber do passado. Para quem rejuvenesce um pouco quando se recorda de como eram as coisas quando eram mais novos, e acredita que este ruído actual nas transmissões é passageiro e vai acabar já no próximo fim-de-semana... É só deixar a memória passear os olhos por estas melodias inesquecíveis.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

1ª J: Marítimo 2 Sport Lisboa e Benfica 1

E começou mais um fado. Fado que alguns afirmam ter origem em cânticos dos Mouros, outros remetem para a palavra escandinava "fata"! Mas não há consenso, pelo que se equilibra a balança com um "terá certamente tido origem no rico caldo de culturas presentes em Lisboa".

Ontem houve a "cantiga do degredado", que tal como era cantada pelos marinheiros na proa do navio, foi dolente e melancólica...
Ó Malhoa, desculpa lá a brincadeira

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Não podendo ter Águia foi para o Pito

Os portistas não comemoram a vitória do FC Porto, comemoram a derrota do Benfica. E há aqui uma diferença.
Para se sentirem portistas, eles têm de odiar uma coisa exterior ao clube, o Benfica, Lisboa, os magrebinos, os mouros, etc. Ou seja, a agremiação nortenha não é auto-suficiente, não é grande o suficiente, precisa do meu Benfica. Naturalmente, eu só podia achar piada a este fenómeno que deveria interessar aos departamentos de antropologia. Porquê? Porque confirma a superioridade do Benfica. 
Para existir como adepto, o portista precisa do Benfica. O Benfiquista só precisa do Benfica.


Esta coisa de falar do Benfica sempre que o clubezito regional a que preside ganha um troféu ou um título, já transcende o ser-se presidente de um clubezito regional a gabar-se face a um clube mundial que perdeu o seu ritmo de vitórias. Os versados em psicologia, e/ou em arredondamentos, poderão encontrar uma explicação iconodulia que só irá convencer quem gosta de enfiar barretes e comer as migalhas que sobram de um grande banquete noctívago.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Chuta a Bola Pá

É uma arte, dizem uns. Teve sorte, dizem os incrédulos. O golo, o tal acontecimento já comparado a um orgasmo, é de facto algo de místico no futebol.

No Benfica, ele já acontece desde tempos imemoriais. Eram os campos pelados com jogadores a calçarem umas coisas parecidas com enxadas ou tijolos, e a abastecerem o público em pé com as emoções do ver as redes balançarem. Depois a coisa lá foi evoluindo excepto as balizas, o lugar predilecto para um jogador ver a bola, que ainda se mantêm muito iguais ao que foram no início.

Muitos artilheiros teve o Benfica ao longo dos cento e tal anos de idade... E cada chuto vitorioso deles teve a sua identidade, o seu charme...

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Mística, o que é isso?

Procurem definições onde bem entenderem. Talvez seja melhor ressuscitar Camões e Pessoa, o coração ardente de um e a mente multidimensional do outro eram capazes de chegar a bom porto na procura da definição para... Isto que se conhece como Mística.

Esta coisa que está dentro dos Benfiquistas mas que de ser tão tangível, ora latente e, uma fracção de segundo, depois causa inveja ao maior dos vulcões... não se consegue descrever... Não é fácil agarrá-la, por vezes é difícil vermo-nos livres dela, é impossível de a confundir com outro sentimento e por fim, é simples de ser transformada em ódio por inveja vinda de outros quadrantes.
Pois é caros leitores, não vos posso dar a definição do que é a mística do Sport Lisboa e Benfica. Posso-vos garantir que mais nenhum clube a tem em Portugal! Têm inveja e ódio mas nada de mística.

sábado, 3 de agosto de 2013

Revisão da Matéria Dada VII

Cada vez mais resumidos este novos episódios desta saga., que podem visitar no museu da corrupção do AMC, no tópico "O Sistema". Hoje recuperamos mais uns dados interessantes para juntar ao roteiro deste filme.

Reza a história que no antigo estádio das antas, num dia de imenso nevoeiro, um apanha-bolas do porto agarrou na bola, que havia saído para fora pela linha final, e a meteu dentro da baliza... Num jogo contra o sporting... Que o sporting até acabou por ganhar!